Mês: dezembro 2015

Suposições

As suposições têm um grande poder de influência sobre o comportamento humano. Como firmes crentes na Lei da Causa e Efeito, nós agimos de acordo com o que acreditamos. Se eu suponho não ser qualificado o suficiente para uma determinada posição e, portanto, sem chance para conseguir um emprego, é provável que não me candidate à vaga. Suposições são de natureza geral e tendem a seguir uma abordagem que vai ao encontro do senso comum. Elas são afirmações com ampla aplicação e alta associação, mas que, quando inspeci

suposições
As suposições derivam de nossas crenças centrais sobre nós mesmos, o mundo e as outras pessoas.

onadas com objetividade, deixam de refletir a complexidade de contextos individuais, probabilidade ou fatores aleatórios. Eu posso ter outras qualidades além de qualificações que correspondam às expectativas daquele entrevistador em particular, naquele determinado momento. Como eu não tenho nenhum acesso ao que o futuro reserva, a minha escolha é, em última análise, baseada em uma suposição.

As suposições – ou crenças intermediárias, em termos cognitivos – derivam de nossas crenças centrais sobre nós mesmos, o mundo e as outras pessoas. Crenças centrais são, predominantemente, produto da nossa educação. Essas crenças são reforçadas por meio de recompensas de comportamento e tendem a refletir valores culturais mantidos por uma maioria. Quando crianças, nós aprendemos a usar as nossas crenças centrais como quadros pessoais de referência para pensamentos e comportamentos amplamente aceitos pelos outros, como nossos pais, professores e amigos. Ao longo do nosso desenvolvimento, relacionamo-nos com pessoas que se identificam (conscientemente ou não) com nossas crenças centrais e as suposições provenientes destas. Ir contra ao que todo mundo pensa – não agir de acordo com as crenças centrais dos outros – faz com que nos destaquemos como não-convencionais. Não ser considerado normal pode resultar em desconforto emocional. Nós pagamos um preço alto por irmos contra a corrente.

A experiência humana é tão rica que torna a credibilidade de absolutos disputável. Suposições tendem a ignorar esta mesma riqueza, pois não nos fazem justiça. Seres humanos são indivíduos complexos que estão constantemente se adaptando às exigências de um novo amanhã. O que eu achava certo há dez anos pode não corresponder a minha realidade atual, mesmo que eu tenha me sentido intensamente inclinado a acreditar na ideia naquela época. Aqueles que adotam uma atitude flexível em relação às crenças centrais e às suposições das quais se originam têm maior probabilidade de atingir níveis satisfatórios de autorrealização e crescimento pessoal.

Eis dois exemplos de suposições que não lhe favorecem:

“Se eu tratar os outros com respeito, eu posso esperar ser tratado da mesma forma”

Uma regra de ouro introduzida por mamãe e papai para justificar o seu comportamento gentil para com os outros. Esta suposição pode ter lhe ensinado boas maneiras lá quando você tinha 5 anos de idade, mas agora está afetando seu humor de forma negativa.

Ter expectativas fixas sobre as reações dos outros é uma atitude irrealista. Seres humanos são indivíduos que respondem a um único agente: seus próprios “eus”. Mesmo quando não tendo um verdadeiro eu, a escolha de seguir o que os outros pensam permanece uma escolha própria. É impossível não-ser humano. “Ser” também inclui se sentir hostil, arrogante, ansioso, impaciente, irritadiço, deprimido, inquieto, angustiado, triste, distraído e absorto em si mesmo. Em essência, sentimentos não são guiados por um senso de justiça, também precedem de convenções sociais ou de intenção pessoal. Existem alguns vinculados somente ao ato de ser, que levar para o lado pessoal quando o comportamento de alguém não corresponde à sua expectativa significa desperdício de energia emocional. Você pode racionar emoções preciosas evitando avaliar o comportamento dos outros em relação a você. Torne-se um observador, faça uma nota mental do que vê e sente sem acrescentar maior significado ao evento. Esta é uma atitude simples, mas que contribui grandemente para o seu senso de domínio sobre o seu próprio humor.

“Se eu me esforçar muito para alcançar algo significa que vou ter sucesso”

Outra suposição que está no centro de tantos sentimentos de decepção. Nosso objetivo tantas vezes fica centrado em nós mesmos que ignoramos os demais fatores que exercem um papel relevante no desenvolvimento de nossas vidas. Há um grande número de fatores que pode contribuir (ou não) para o sucesso de tudo o que fazemos. Seja na vida pessoal ou profissional, você não é a única influência em todas as coisas ou pessoas. Você é limitado na sua capacidade de moldar a sua própria realidade. Trabalhar duro pode não ser tudo o que é preciso para garantir aquela promoção. Manter uma boa aparência ou agir de maneira correta pode não ser suficiente para manter aquele relacionamento. Só porque você se dedica a passar tempo com seu filho não significa que vocês vão acabar compartilhando os mesmos interesses.

Como causa e efeito, a relação entre quantidade e qualidade não pode ser definida de forma acurada por meio de números absolutos. Quase nada é 100% estático quando se trata da experiência humana, apenas que nascemos e, geralmente e um pouco mais tarde, morremos. Mesmo que você observe algumas tendências entre o seu grau de dedicação e o seu desempenho, isso não significa que seus resultados serão sempre idênticos em cada tentativa. Abrir a sua percepção para a incerteza da vida é um dom tão relevante quanto qualquer outro. O conhecimento é poder, mas também pode fazer da sua mente prisioneira da autossuficiência. A liberdade também é conquistada com a aceitação e a coragem de simplesmente “deixar pra lá”.

Suposições não são totalmente irracionais, desde que preservemos seu significado denotativo. Uma atitude saudável em face das suposições é ter em mente que uma crença continua a ser uma crença, independente de quão fortemente eu me sinta em relação a ela. Suposições não são fatos, mas noções subjetivas generalizadas que não necessitam de prova para serem validadas. O tempo pode ser uma indicação da forte conexão entre uma suposição e o senso de identidade de um grupo, mas isso é tudo. Porque uma suposição foi mantida por um longo período de tempo não quer dizer que isso seja suficiente para torná-la verdadeira. Você se sentiria confortável com a ideia de que a Terra é plana hoje em dia? Esta crença mantida por mais de 200 anos, mesmo assim, não alterou a forma do nosso planeta.