Mês: outubro 2017

5 sinais de que você foi criado por pais emocionalmente negligentes

Toda emoção que sentimos, seja negativa ou positiva, tem o seu propósito. As emoções negativas avisam-nos quando algo não está bem com os nossos corpos, pois tal como as emoções positivas, ajudam-nos a interpretar informações e nos conectar com o nosso mundo interno e externo. Enquanto as emoções negativas são alarmes altamente sofisticados que nos permitem saber quando mover, agir ou pensar de modo a nos proteger, as emoções positivas direcionam o nosso foco para o que gostamos e é importante para nós. Portanto, as emoções não somente nos tornam humanos, como também nos ajudam a crescer e a nos desenvolvermos, além de nos tornarmos quem verdadeiramente somos.

5 sinais de que você foi criado por pais emocionalmente negligentes
Se você se esforça para se sentir inteiro e conectado, pode ter sido criado por pais emocionalmente negligentes

Apesar de sua óbvia relevância para a manutenção da saúde física e mental, a nossa cultura promove uma mentalidade de repressão, negação e até rejeição das emoções, especialmente quando negativas. Desde uma idade precoce, aprendemos – mesmo sem a instrução direta – a fazer o que pudermos para suprimir a raiva e a tristeza, por exemplo, como se fossem algo que deva ser “gerenciado” e não sentido. Os nossos pais aprenderam com os pais a não abordarem estados emocionais para não os aborrecer e, com o tempo, tornam-se intolerantes com as próprias emoções negativas. Quando têm filhos, sentem-se desconfortáveis ​​ou perdidos quando expostos ao seu sofrimento, raiva ou outros sentimentos de inadequação, muitas vezes, não aceitam ou sequer reconhecem a sua existência e propósito.

Se você se esforça para se sentir inteiro e conectado, seja com as emoções, o que faz, com o seu próprio corpo, essência ou com as outras pessoas, há uma grande probabilidade de ter sido criado em um ambiente de negligência emocional. Para descobrir se esse é o caso, seguem 5 sinais de que você foi criado por pais emocionalmente negligentes:

1- Você não entende o propósito da maioria das emoções negativas

Você é crítico quanto a sentimentos negativos e vê aqueles que os honram como fracos, temperamentais, voláteis ou irracionais. Você acha que todos, inclusive você mesmo, devem fazer o possível para serem “agradáveis” e exercerem total controle sobre as emoções, como se os sentimentos negativos, especialmente, fossem animais selvagens que devem ser domesticados a todo custo. Você iguala a inteligência e força a tais “qualidades” e a consciência e congruência emocional a vulnerabilidades.

2- Você acha difícil tolerar o desconforto emocional

Se a frustração, o estresse ou a ansiedade tomam conta, você faz o que pode para lidar com esses sentimentos o mais rápido possível. De acordo com a sua crença, as emoções negativas devem ser extintas imediatamente. Você alcança este objetivo, sobretudo, por meio da dissociação, automedicação, negação ou evasão, ou qualquer outra distração que o faça se sentir instantaneamente melhor. As suas reações a estados emocionais negativos de outras pessoas são tão práticas quanto as suas. Se percebe o que está acontecendo ao seu redor, finge ignorância ou não se envolve diretamente. Quando se esquivar delas se torna impossível, minimiza a importância de seus sentimentos negativos com comentários polidos, mas superficiais, ou com a ajuda de platitudes e uma atitude estoica. Em alguns casos, até se sente irritado com a sua suposta incapacidade de lidar com as emoções de forma tão “efetiva” como a sua.

3- Você racionaliza as emoções

Porque não reconhece o valor das emoções, você usa somente a razão para justificar e explicar o seu comportamento. O raciocínio “plausível” motiva tudo o que você faz e nunca uma emoção como a insegurança, infelicidade ou medo. Você pediu demissão não porque o ambiente de trabalho o deixe tão ansioso a ponto de não conseguir ter uma noite decente de sono, mas porque “o ambiente não é motivador”. Você insiste naquele relacionamento desgastado porque, no fundo, não consegue nem imaginar a ideia de ficar sozinho, mas para si mesmo e os outros é porque “investiu muito tempo nele”. Qualquer justificativa razoável o suficiente para que você e aqueles que o rodeiam nunca associem o que veem por fora à vulnerabilidade que realmente sente por dentro.

4- Você tem dificuldade de se conectar emocionalmente com os outros

Naturalmente, a distância que você mantém de suas próprias emoções também prejudica a sua habilidade de expressar como se sente. Isso ocorre devido à tendência a explicar o seu comportamento sem nunca o associar às emoções, seja em relação aos seus próprios atos ou ao dos outros, o que cria uma aura de desapego em que a conexão emocional torna-se praticamente impossível. Os relacionamentos sofrem em tais cenários, independentemente de sua natureza. Os relacionamentos amorosos, em especial,  são difíceis de serem mantidos saudáveis ​​sem a proximidade e intimidade emocional. A longo prazo, o vazio e a solidão tendem a causar tamanho dano, que passam a influenciar as decisões e guiar ações para uma nova direção. O resultado desta reavaliação é, por muitas vezes, um grande ressentimento e pensamentos de separação.

5- Você não se sente validado

Mesmo sem perceber, você é traído por suas próprias crenças a respeito das emoções. A necessidade de ser visto, ouvido, amado e compreendido não desaparecerá apenas porque fez um esforço para invalidar as emoções e suprimir a sua expressão. Nós também trocamos informações sobre nós mesmos por meio de sentimentos e não apenas através da linguagem. Como alguém pode reconhecer e até atender as suas necessidades, quando você mesmo age de forma relutante em reconhecê-las e aceitá-las? Negligenciar as emoções, especialmente quando negativas, não favorece você ou os seus relacionamentos, mas o transforma em um autômato indisponível.

Mesmo que tenha se identificado com alguns ou todos os itens mencionados, ainda pode mudar o relacionamento que mantém consigo mesmo e, por extensão, o que nutre com os outros. Respeitar e honrar as emoções, assim como permitir-se sentir, irá conceder-lhe um senso renovado de si, mais equilibrado e em harmonia com o próprio corpo. Todos podemos aprender lições de vida preciosas ​​com as emoções, além de nos beneficiarmos de sua sabedoria. Para se reconectar emocionalmente, comece a monitorar como se sente com honestidade e uma mente aberta. Resista à tentação de racionalizar ou lidar com as emoções o mais rápido possível, mas lhes faça companhia por um determinado período. Em seguida, observe o que acontece, se permanecem ou se dissipam de forma independente. O que elas estão tentando lhe dizer? Você considerou as implicações reais de ignorá-las? O que pode aprender com elas?