Mês: novembro 2019

O perfeccionismo além do estereótipo

O perfeccionismo além do estereótipo
Você não precisa se esforçar loucamente para reproduzir padrões altos em tudo o que faz para ter um problema de perfeccionismo

Embora o perfeccionismo tenda a ser concebido de uma forma polarizada, o seu escopo vai muito além de concentrar-se em um padrão alto de qualidade. Por sermos indivíduos de natureza complexa, o próprio significado de “alto padrão” varia de pessoa para pessoa. Antes de me tornar uma vegana, costumava fazer uma pizza vegetariana semanalmente. Para garantir que ficasse saborosa, tinha de conter 150g de queijo cheddar, o equivalente a uma embalagem do meu supermercado local, esse era, portanto, o meu padrão. Quando eu me animava a fazer uma pizza, mas descobria que tinha menos de 150g no pacote da geladeira, ficava extremamente desapontada, não a fazia ou ia direto ao supermercado para adquirir um novo pacote. Depois de tentar restringir o meu consumo de queijo e ter percebido que poderia “infringir” a minha própria regra e reduzir a quantidade, fiquei surpresa ao me dar conta de que o sabor da minha pizza ficava tão bom quanto antes! Como uma perfeccionista, a minha experiência havia sido limitada por uma regra rígida e causadora de estresse que poderia ser facilmente evitado através de uma pequena mudança de perspectiva.

Você não precisa se esforçar loucamente para reproduzir padrões altos em tudo o que faz. Como qualquer vulnerabilidade, o perfeccionismo se ajusta a visões e valores pessoais, sejam eles quais forem. Você pode ser um hippie, um acadêmico ou um jogador de futebol e ainda assim agir de maneira perfeccionista. Desde que se comporte como um escravo de regras rígidas, nas quais acredita refletirem um padrão alto ou objetivo para agir de forma perfeccionista. É importante destacar o significado da perspectiva individual para o perfeccionismo, pois assim como “a beleza está nos olhos de quem vê”, o perfeccionismo está no cérebro de quem tem baixa autoestima. Se você valoriza a aparência física e acha uma aparência esportiva charmosa, pode se tornar um perfeccionista e investir tempo e dinheiro para reproduzir, fielmente, este estilo. Você pode morar em uma casa desorganizada e suja, o que reflete a sua falta de cuidado, e isso não o incomodar nem um pouco comparado a quanto se preocupa em parecer atraente do lado de fora para se sentir bom o suficiente por dentro. Quando precisa de um colchão novo para ajudar a aliviar a dor nas costas, mas está de olho naqueles tênis da moda que custa uma fortuna, esquece-se do problema ao se imaginar andando com os tênis novos, sentindo-se bem e bonito enquanto recebe elogios e a atenção das outras pessoas.

O perfeccionismo compreende a manutenção de condições inflexíveis de valor que – apesar de nunca terem sido testadas – têm significado em nível individual e devem ser mantidas a todo custo. Portanto, se possui padrões de qualidade que permanecem constantes ao longo do tempo e não se adaptam às mudanças na sua pessoa e vida, pode confiar que o perfeccionismo é uma das principais razões pelas quais tem dificuldade de se sentir equilibrado e alcançar um estado de satisfação e realização pessoal. Devido a sua flexibilidade, esta vulnerabilidade é o par “perfeito” para qualquer atitude de baixa autoestima, valor e bem-estar condicionais. O perfeccionismo em ação pode ser observado na obsessão de pais de tornarem a experiência dos filhos o mais livre de dor possível, por exemplo, como considerar que as emoções negativas prejudicassem, permanentemente, o seu desenvolvimento (a fobia emocional – inconsciente -, é uma das características mais comuns do perfeccionismo) e comprometesse a capacidade de agirem como um bom pai e uma boa mãe. Embora corresponda à verdade nos casos de abuso, negligência e trauma da infância, a maioria das crianças – aquelas que são expostas a um estilo parental considerado bom o suficiente – cresce e se desenvolve muito bem com uma boa parcela de amor e atenção incondicionais que não dependem do desgaste e sofrimento dos pais.

Se se identificou com o relato de alguma forma, é vital ficar ciente de que a sua atitude perfeccionista não afeta apenas você, mas também aqueles ao seu redor. Como o custo emocional do perfeccionismo é alto, tende a estar intrinsecamente relacionado a problemas de relacionamento, além de uma grande variedade de psicopatologias, como os distúrbios alimentares, depressão e ansiedade. Você não precisa estar totalmente ciente de quanto a sua batalha para manter-se centrado é resultado do seu perfeccionismo, ou até compreender a extensão que afeta os seus colegas de trabalho e família, por exemplo, para que seja prejudicial a todos os envolvidos. A ironia é que o esforço para manter um certo padrão de qualidade a fim de garantir o bem-estar e a felicidade é o que causa os problemas de saúde emocional e relacional! Para sair da armadilha perfeccionista, comece a questionar as crenças rígidas – independente de seu significado e aplicação – de modo consciente e proativo enquanto brinca com a ideia de ter um desempenho “abaixo da média” ou, até, “péssimo”. Aumente a conexão emocional agindo de maneira congruente e permitindo-se sentir-se mal de vez em quando e na presença das outras pessoas. Quanto mais autoaceitação e amor incondicional trouxer a sua vida, maior a sua tolerância às imperfeições dos outros, e, quanto mais confortáveis ​​sentirem-se ao seu lado, mais fortes as suas conexões se tornarão, bem como o benefício de sua influência.