Mês: <span>julho 2023</span>

5 sinais de que o seu problema de peso está relacionado a um trauma

5 sinais de que o seu problema de peso está relacionado a um trauma
As vítimas de abuso emocional, negligência física e/ou abuso sexual são mais propensas a recorrerem à comida para equilibrarem as emoções

A conexão entre os maus comportamentos alimentares, como a restrição calórica e o vício alimentar, e o trauma é amplamente aceita (vide pesquisas abaixo). Portanto, caso tenha dificuldade de manter um peso saudável, é fundamental saber que apenas uma mudança na dieta pode ser insuficiente para produzir efeitos duradouros. Para se tornar ciente de como a saúde mental afeta o seu relacionamento com a comida, elenca-se 5 sinais de que o seu problema de peso está relacionado a um trauma:

1- Você come de forma emocional para se sentir melhor. A alimentação emocional é motivada pelos sentimentos negativos dos eventos traumáticos que ficam armazenados no corpo, como a solidão, o cansaço, a ansiedade, a tristeza, a vergonha, a culpa e a raiva. As vítimas de abuso emocional, negligência física e/ou abuso sexual, por exemplo, são mais propensas a recorrerem à comida para equilibrarem as emoções e lidarem com o estresse traumático (Kong et al., 2009). Conforme Stojek et al. (2019) esclarecem: “De uma perspectiva psicológica, consumir alimentos com alto teor calórico que estimulam o neurocircuito de recompensa é uma poderosa estratégia de regulação emocional em resposta ao aumento do estresse”.

2- Você se alimenta de forma desregrada para desafiar a autoridade. Você expressa a raiva dos pais abusivos e o controle do próprio corpo comendo demais ou de modo irresponsável para não se submeter a dietas rígidas e aos padrões de beleza.

3- Você se alimenta pouco para desafiar a autoridade. Você expressa a raiva dos pais abusivos e o controle do próprio corpo fazendo dieta e torna-se mais magro para provocar-lhes inveja ou ressentimento por sua autonomia e perda de peso.

4- O seu sobrepeso faz com que se sinta seguro. Você se sente mais forte e menos vulnerável ao abuso quando está fisicamente maior ou “invisível” a fim de protegê-lo da atenção alheia.

5- Você é viciado em açúcar. O trauma do desenvolvimento mal resolvido e o Transtorno do Estresse Pós-Traumático (TEPT) “comumente ocorrem de forma simultânea com o vício” (Flanagan et al., 2016). O açúcar é usado para aliviar o estresse traumático, propósito observado no uso de outras substâncias viciantes, tais como o álcool e as drogas.

Uma abordagem consciente do trauma revela-se essencial se estiver empenhado em superar um distúrbio alimentar ou administrar o peso de maneira eficaz. Para um resultado de sucesso, combine uma dieta saudável com o tratamento psicológico de traumas não resolvidos e trate a saúde integralmente, da cabeça aos pés.

Referências:

Kong S, Bernstein K. (2009). Childhood trauma as a predictor of eating psychopathology and its mediating variables in patients with eating disorders. Journal of clinical nursing. 18. 1897-907. 10.1111/j.1365-2702.2008.02740.x.

Flanagan JC, Korte KJ, Killeen TK, Back SE. Concurrent Treatment of Substance Use and PTSD. Curr. Psychiatry Rep. 2016 Aug;18(8):70. (doi: 10.1007/s11920-016-0709-y. PMID: 27278509; PMCID: PMC4928573).

Stojek MM, Maples-Keller JL, Dixon HD, Umpierrez GE, Gillespie CF, Michopoulos V. Associations of childhood trauma with food addiction and insulin resistance in African-American women with diabetes mellitus. Appetite. 2019 Oct 1;141:104317. (doi: 10.1016/j.appet.2019.104317. Epub 2019 Jun 8. PMID: 31185252; PMCID: PMC6629477.)

De onde vem a crença “eu não sou bom o suficiente”?

De onde vem a crença “eu não sou bom o suficiente”?
Quando a crença negativa “eu não sou bom o suficiente” está ativa, sentimo-nos inseguros e duvidamos de nós próprios

Quando a crença negativa “eu não sou bom o suficiente” está ativa, sentimo-nos inseguros, duvidamos de nós próprios e questionamos nossa inteligência e competência. Além disso, tornamo-nos hipervigilantes e dependentes de aprovação externa para nos sentirmos menos ansiosos. Se deseja obter mais controle sobre esse processo, recomendo fazer a ligação entre essa crença fundamental e o trauma infantil não resolvido. As experiências adversas, como sofrer bullying na escola, contribuem para fortalecer essas crenças negativas. Quando essa conexão é encontrada, encontra-se em uma posição favorecida para quebrá-la e livrar-se de seus efeitos na sua autoestima.

Contudo, se não sabe por onde começar, elencam-se exemplos de eventos traumáticos vividos na infância que resultam na crença de que não se é bom o suficiente na idade adulta:

– As suas notas escolares, mesmo quando muito boas ou excelentes, nunca foram boas o suficiente para os responsáveis pelo seu cuidado. Quando as compartilhava com eles, perguntavam quem mais as obteve ou se era o primeiro ou o segundo melhor da sua classe.

– Os responsáveis pelo seu cuidado não estavam emocionalmente presentes quando compartilhava as notas escolares com eles. Os seus esforços não eram nem validados nem rejeitados por eles, pois simplesmente não estavam interessados o suficiente para se importarem com isso.

– A sua escola e/ou professores era(m) ignorante(s) ou não possuíam ferramentas corretas para lidar com a sua vulnerabilidade psicológica, tal como o Transtorno de Déficit de Atenção ou Asperger. Você se sentia mal por ser diferente, solitário e até alienado por não ter apoio.

– Você estava com fome, cansado, raiva e/ou medo/ansioso para conseguir se concentrar na escola. Você tinha dificuldade de se concentrar e/ou não tinha estrutura para aprender como os colegas.

Como o seu cérebro construiu essa noção de que não é bom o suficiente? Quais são os eventos negativos que funcionam como “prova” da sua suposta incompetência? Vá para um lugar privado e concentre a atenção na respiração por 1 minuto. Em seguida, conecte-se com o corpo, da cabeça aos pés. Estabeleça a intenção de ser guiado por ele para encontrar uma conexão entre “eu não sou bom o suficiente” e um evento adverso da infância. Por fim, observe onde isso o leva. Depois do seu cérebro remeter-lhe a uma imagem, permita-se sentir-se presente com ela. Observe os efeitos que provocam em sua psique, no corpo e nas emoções. Repita essa prática em dias diferentes até que a imagem não tenha nenhum efeito negativo sobre você.