Categoria: <span>Ansiedade</span>

A vergonha que você carrega é sua?

A vergonha que você carrega é sua?
Emoções como a vergonha são altamente contagiosas

A vergonha, assim como as outras emoções negativas básicas (tristeza, raiva, medo, choque e repulsa), pode tornar-se tóxica se não for identificada e lidada consciente e proativamente. A vergonha tóxica é particularmente prejudicial ao bem-estar emocional porque vivenciada de formas variadas, seja em nível cognitivo ou físico, isto a torna difícil de ser identificada. Embora subestimemos o quanto nos afeta nós nos compararmos com os outros, por exemplo, e não relacionamos a atitude à vergonha, esta tende a alimentar-se de nosso sentimento de inadequação. Como se fosse um vírus a tomar conta do corpo sem percebermos, e com a capacidade de penetrar em nosso sistema e enfraquecer a autoestima e o senso de identidade saudável.

As emoções são altamente contagiosas e comunicam-se rapidamente de um corpo para o outro. O papel da vergonha é criar desconforto quando deixamos de cumprir com as normas sociais, que gera o risco de mudança de status no grupo, portanto, pode facilmente desembocar em medo de rejeição. Como seres sociais que se desenvolvem em união, os sentimentos de ineficiência e exclusão desencadeados pela vergonha têm o potencial de comprometer a nossa capacidade de nos conectarmos com o eu de forma autêntica. Um falso senso de identidade é, então, criado para garantir a adesão ao grupo, equilibrar o sentimento de inadequação e restabelecer um senso interno de segurança.

Perceber quando nos sentimos afetados pela vergonha é a chave para protegermos a nossa autoestima e nutrirmos um eu autêntico e autônomo. Você pode alcançar esse objetivo perguntando a si próprio: “Essa vergonha me pertence?” quando se sentir inadequado, inferior, desvalorizado, criticado ou julgado. Assim como a raiva, a vergonha tende a ser projetada de forma disfuncional para que possa ser regulada. Apesar dos danos causados àqueles que são direta ou indiretamente afetados por esse processo, é repetido de maneira altamente inconsciente, prejudicando não apenas a nossa capacidade de nos amarmos e nos aceitarmos, bem como os nossos relacionamentos. Se acredita que a sua vergonha seja incongruente com as crenças de seu eu livre e autoconfiante, devolva-a a quem pertence de fato, movendo as mãos como se estivesse jogando uma bola da vergonha de volta para o dono ou dizendo, silenciosamente e para si próprio, que a vergonha que está sentindo não é sua. Recomendo usar a criatividade para divertir-se com esta prática. Para questionar os pensamentos negativos que desembocam em sentimentos de vergonha, também recomendo preencher um Registro Diário de Pensamentos Disfuncionais durante os períodos de vulnerabilidade.

5 técnicas de autorrelaxamento para o processamento do luto de forma saudável

5 técnicas de autorrelaxamento para o processamento do luto de forma saudável
O luto tende a seguir uma sensação de perda

O luto tende a seguir uma sensação de perda. A morte de um ente querido, o aumento súbito da consciência de eventos traumáticos na infância, a demissão ou o despedimento, o rompimento de relacionamento de qualquer natureza ou as mudanças nas condições de saúde e/ou de vida são exemplos de perdas que podem desencadear a necessidade de condoer-se. Embora seja um processo biológico e funcional, o luto ainda é mal compreendido e até mesmo negligenciado. Acredita-se no poder do luto como uma fonte confiável de conexão emocional, plenitude e sabedoria, mas, às vezes, a pessoa se sente oprimido por este. Diante disso, apresento 5 técnicas de autorrelaxamento para o processamento do luto de forma saudável:

1- O autoabraço: Peter Levine, criador da abordagem terapêutica Somatic Experiencing e autor de Waking the Tiger (Disponível em português sob o título O despertar do tigre: curando o trauma), ensinou como usar o corpo para acalmar-nos. Dê a si mesmo um grande abraço “borboleta”, colocando a palma da sua mão direita na axila esquerda e a palma da sua mão esquerda no braço direito (para assistir o vídeo de demonstração da técnica de Peter Levine, clique aqui). Relaxe os ombros e suporte-se, física e emocionalmente, enquanto sente o calor do corpo nas palmas das mãos. Essa técnica é indicada para quem sente solidão, tristeza, rejeição e/ou abandono e, portanto, tem dificuldade de sentir-se seguro e/ou digno de ser amado.

2- O toque suave: coloque a mão com a qual escreve no peito e a outra sobre a barriga. Respire profundamente (5 segundos para a inspiração e 5 segundos para a expiração) e conecte-se com o corpo e as emoções carinhosamente e com amor incondicional por si próprio. Essa técnica ajuda quem está experimentando, sobretudo, sentimentos de medo, ansiedade, tristeza, solidão, rejeição e abandono.

3- Respiração charuto: faça um bico forçado com a boca como se estivesse prestes a fumar um charuto e inspire e expire profundamente (pelo menos 5 segundos para cada inspiração e expiração). Este exercício permite a conexão com o nervo vago, acalma o sistema nervoso e equilibra as emoções.

4- Lugar tranquilo: imagine um lugar lindo e tranquilo associado a sensações agradáveis. Transporte-se mentalmente para lá. Visualize-se curtindo o ambiente e saboreando tudo o que o torna especial para você. Sobretudo, observe como o corpo gradualmente relaxa e você fica mais sereno à medida que a conexão com a imagem se aprofunda.

5- Grounding: sente-se em uma cadeira com uma postura ereta, mas com os ombros relaxados e os pés em paralelo tocando o chão. Comece a concentrar a atenção na respiração, sem forçar nada. Aos poucos, mude o foco para as solas dos pés. Observe as sensações corporais vindas a sua consciência e as sensações entre os pés (descalços) e o chão. Este exercício ajuda a sentir-se centrado e no momento presente, ao qual você pertence.

Quando fazemos o luto de nossas perdas com todo o ser – corpo e mente – não apenas as processamos e superamos de maneira saudável, mas também promovemos o desenvolvimento do bem-estar e da maturidade emocional, da autoestima incondicional e do crescimento pós-traumático.

2 sinais de que está se comportando emocionalmente dependente

2 sinais de que está se comportando emocionalmente dependente
Não ter tempo para nada também pode indicar uma dependência excessiva de intelectualização, interação social e movimento como mecanismos de defesa para não se conectar com as emoções

O hábito de confiar em fatores externos para equilibrar os sentimentos e as emoções negativas está no cerne da dependência emocional. Pessoas, objetos, trabalho, comida e exercício são exemplos comumente usados ​​para fazer a pessoa se sentir equilibrada ou “melhor”. Embora certo nível de dependência seja saudável para nutrir um apego seguro, no entanto, estar constantemente à procura de alguém ou algo para ajudar a lidar com o desconforto interno – sem se conectar conscientemente com este – afeta negativamente a capacidade de processar as emoções de maneira funcional a longo prazo. Para aumentar a sua consciência ou impedir a tendência de perpetuar isso, apresentamos dois sinais de que está se comportando emocionalmente dependente:

Você faz o que pode para não ficar sozinho

Focar a atenção nos outros diverge de nos concentrarmos em nosso próprio eu. As pessoas emocionalmente dependentes tendem a equiparar estar só com se sentir sozinha, inquieta e/ou de alguma forma desconfortável. Isto alimenta a necessidade de estarem cercadas de outras pessoas para evitarem o desconforto emocional. A busca por evitar as emoções negativas – ou fobia emocional – demonstra uma tendência disfuncional de não querer se conectar com o mundo interior, ou seja, de abordar e processar completamente as emoções antagônicas.

Você faz o que pode para estar “sempre ocupado”

Embora atividades como estudar, socializar, ajudar os outros, trabalhar, limpar, conversar e até se exercitar possam ser produtivas, também funcionam como desculpas perfeitas para não pensar ou, mais importante, sentir. Afinal, “estar ocupado” é socialmente mais aceitável do que se conectar com as emoções negativas, já que pertencemos a uma cultura de negligência e intolerância emocional. Portanto, infinitas listas de tarefas e “não ter tempo para nada” também podem indicar uma dependência excessiva de intelectualização, interação social e movimento como mecanismos de defesa para não se conectar com as emoções como medo, raiva, tristeza e vergonha, bem como sentimentos de abandono, vazio existencial e rejeição.

Ir a busca do que está fora e usar o mundo externo para se distanciar das emoções e, portanto, “lidar com elas” correspondem a atitudes emocionalmente dependentes e afetam a saúde mental e o bem-estar. Agir de forma autônoma, aprender a passar o tempo sozinho, tolerar as emoções negativas e o silêncio é essencial para quem deseja se reconectar livremente com o corpo e se sentir mais centrado de uma maneira orgânica e adaptativa, capaz de estimular o crescimento pessoal e a maturidade emocional.

A solidão e a vulnerabilidade emocional

A solidão e a vulnerabilidade emocional
A solidão persistente é frequentemente seguida por sentimentos de rejeição, abandono e baixa autoestima

Em momentos de isolamento social, é importante não negligenciar os efeitos negativos extremos que isso exerce sobre a nossa saúde mental/emocional. Apesar do foco atual ser a saúde física como a única ameaça ao bem-estar, continua sendo crucial aumentar a conscientização sobre como o isolamento pode ter um impacto ainda mais forte na nossa psique e qualidade de vida a longo prazo. Para entender o vínculo entre a solidão e a vulnerabilidade emocional, elencam-se três sinais, ou seja, sentimentos e humores que indicam como a falta de contato social pode nos afetar negativamente:

Tristeza e melancolia: como é de nossa natureza buscarmos a conexão e a intimidade, estar em meio e desfrutar da companhia das outras pessoas, pois nos faz sentir mais humanos e vivos. Mesmo se seja introvertido, necessita de certo nível de interação social para obter um senso de identidade e pertença. Como a presença humana, a voz e o toque também são calmantes, um amigo, colega, parente ou cônjuge, por exemplo, pode ser uma fonte de apoio emocional. Quando isso nos falta e nos sentimos solitários, os momentos de tristeza parecem ter maior duração. À medida que os dias passam e a solidão perdura, podemos nos tornamos desesperançosos, melancólicos e até deprimidos.

Vergonha e frustração: a solidão persistente é frequentemente seguida por sentimentos de rejeição, abandono e baixa autoestima. Embora, às vezes, revele-se como uma consequência de nossas próprias escolhas de estilo de vida e crenças rígidas sobre os relacionamentos, a solidão pode nos fazer sentir “inferiores” ou que “não somos bons o suficiente/amáveis”. Não se sentir digno da companhia e do amor dos outros gera ressentimento, raiva e até ódio, os quais são sentidos em um nível profundo e, frequentemente, sem serem registrados pela mente consciente.

Medo e desespero: sentir-se sozinho, não visto e sem acesso à conexão e ao apoio emocional pode desencadear a resposta luta ou fuga. Isso se deve ao fato de que precisamos das outras pessoas para estabelecermos um senso de segurança. Como não somos capazes de sobrevivermos e prosperarmos sem pertencermos a um grupo e sem a ajuda de outros seres humanos, o isolamento completo – inclusive quando aparentemente coerente em momentos de crise de saúde pública – pode causar o estresse, a hipervigilância e a ansiedade. Quando somos submetidos a um clima de medo que parece interminável o desespero se instala, o qual, por sua vez, pode nos levar a recorrer a comportamentos disfuncionais, extremos e arriscados para recuperarmos o senso de segurança e bem-estar.

Tendo em vista que a nossa saúde emocional continua sendo negligenciada pelos governos, pela comunidade médica e outras autoridades do setor da saúde, é de extrema importância ser criativo e dedicar tempo e esforço aos cuidados pessoais. Se se sente solitário e emocionalmente vulnerável como resultado do isolamento, faça o que puder para sentir-se conectado, primeiramente com o seu interior e, depois, com os outros. Ainda há muito a fazer sem desrespeitar as regras de distanciamento social que contribuirá para melhorar o seu humor, basta buscar o que vai ao encontro de seu eu autêntico e do que o complementa.

5 efeitos comuns do isolamento social

6 efeitos comuns do isolamento social
Não ser permitido o contato social também tem o potencial de servir como um gatilho para a solidão existencial

O isolamento social imposto a todos nós e o enfoque nas notícias negativas em torno da disseminação do vírus Covid-19 podem funcionar como gatilhos para uma resposta luta ou fuga. Se você tem um histórico de trauma da infância mal resolvido, pode se sentir ainda mais vulnerável e vivenciar os seguintes efeitos do isolamento social:

Medo: um senso persistente de medo coletivo pode colocar o corpo em um estado de hipervigilância que, por sua vez, torna-o mais suscetível a se sentir preso a um ciclo de preocupação excessiva e ansiedade.

Sentimentos de abandono: a perda de contato social também tem o potencial de servir como um gatilho para os sentimentos de solidão existencial, rejeição e abandono. Embora racionalmente possam não ter sentido, afetam emocionalmente aqueles que sofreram abuso e/ou negligência e, portanto, encontram-se expostos aos efeitos do trauma da infância.

Raiva: a raiva tende a seguir os sentimentos de abandono, pois serve para equilibrá-los ou criar um sentimento de “autoestima” e autonomia. Ser forçado a isolar-se e lidar com as emoções negativas surgidas com o isolamento sem apoio emocional pode fazer com que a pessoa se sinta decepcionada, ressentida ou até mesmo com raiva sem motivo aparente.

Falta de motivação: quando o ar está cheio de negatividade e há pouca movimentação e diversão, torna-se mais difícil encontrar energia para concluir inclusive as tarefas mais simples.

Falta de concentração: manter o corpo em alerta, na maior parte do tempo, faz com que o sistema límbico ou o “cérebro emocional” torne-se hiperativo. Como resultado, as áreas do cérebro interconectadas com o papel da atenção – como o córtex pré-frontal – não têm chance de operarem adequadamente.

Caso se identifique com o relatado, procure aumentar a autoconsciência e manter uma rotina de cuidado pessoal mais rigorosa para proteger a sua saúde emocional durante esse período difícil. As práticas que o permitirão alcançar este objetivo incluem nutrir a criança interior por meio de meditação e visualizações, atividade física, entrar em contato com os amigos e/ou a família e seguir uma dieta saudável com um baixo teor de carboidratos, baseada em plantas e alimentos integrais. Reduzir consideravelmente a exposição (ou até mesmo evitar) as notícias e manter uma perspectiva objetiva e positiva para o futuro próximo, evitar o contato com pessoas pessimistas e amedrontadas que se recusam a ver além de uma perspectiva tendenciosa e negativa são práticas que o ajudarão a se sentir mais centrado e calmo. Além disso, leituras inspiradoras ou assistir comédias, palestras e vídeos agradáveis tende a nos deixar mais animados e a favorecer o nosso humor.

3 sinais de que você está viciado no medo

3 sinais que está viciado no medo
Garantir que os dias sejam preenchidos com milhares de atividades é um dos sinais de que está viciado no medo

É possível tornar-se viciado em uma emoção? Quando refletimos acerca dos efeitos que as emoções como a raiva e o medo têm em nossos corpos, a resposta é, definitivamente, sim. Isso ocorre porque a resposta luta ou fuga ou o medo que se origina da nossa percepção de perigo, por exemplo, aciona os receptores de adrenalina e dopamina no cérebro. A dopamina, em particular, foi conectada não apenas ao prazer, mas também aos comportamentos de recompensa, busca e evasão. A combinação desses hormônios nos faz sentir física e emocionalmente “turbinados” e produz uma sensação de euforia com o potencial, portanto, de tornar-se bastante viciante. Elencam-se 3 sinais de que você está viciado no medo para ajudá-lo a entender melhor o papel que este desempenha em sua vida:

1- Você construiu uma narrativa pessoal em torno do medo

Para quem é viciado no medo, a história pessoal é interpretada através de eventos adversos, com tanta intensidade, aliás, que se deixam definir pelas experiências negativas. É um fato bem conhecido que o trauma faz com que o cérebro apresente uma inclinação para o negativo como uma medida evolutiva da autopreservação. No entanto, os viciados no medo recusam-se a ir além disso. Embora conscientes dessa tendência, exibem dificuldade de adotar uma perspectiva equilibrada e veem o mundo, as pessoas e o futuro por meio de crenças extremamente rígidas e atitudes polarizadas ou “é tudo ou nada”. A falta de medo ou ansiedade causa um demasiado desconforto emocional para os viciados nesta emoção, sentem-se mais seguros ao se conceberem como condenados ao sofrimento e desastre.

2- As suas escolhas de estilo de vida reforçam o seu medo

Qualquer tipo de dependência demanda absoluta dedicação. Os viciados em medo mantêm-se neste estado criando e conservando hábitos que reforcem o vício. Portanto, o que fazem, consomem e vivenciam são reflexos desse princípio. Garantirem que os dias sejam preenchidos com milhares de atividades, faz se sentirem (secretamente) orgulhosos de estarem sempre ocupados, ouvirem podcasts ou assistirem documentários de crimes reais, tornarem-se viciados em notícias e controvérsias, lerem livros referentes a histórias de violência, abuso e trauma – sejam de natureza técnica ou biográfica – além de beberem grandes quantidades de café e consumirem alimentos ricos em carboidratos refinados – tais como pão branco e massa – conferem aos viciados no medo a sua amada euforia de adrenalina e os “ajudam” a manter o basal do estresse em um alto nível.

3- Você atrai pessoas que reforçam o seu medo

As pessoas positivas, emocionalmente maduras, zen e centradas são entediantes para os viciados no medo, salvo nas situações em que se sintam conscientemente sobrecarregados pelo próprio vício. Escolhem a companhia de indivíduos que adicionam mais drama a suas vidas e reforçam o seu medo. Aqueles que têm uma visão negativa e dificuldade de verem além dos piores cenários, assim como os que pensam e agem de maneira que não refletem objetividade, são os seus pares perfeitos. Além disso, as pessoas que apresentam comportamentos inapropriados, têm problemas de saúde mental, “personalidades difíceis” e/ou provêm de famílias tóxicas e, por esses motivos, alimentam (mesmo inconscientemente) uma dinâmica de relacionamento disfuncional, são fontes garantidas de medo e preocupação excessiva.

Se se sente disposto e preparado para superar o seu vício no medo, recomendo as práticas que acalmam o sistema nervoso e estimulam o córtex pré-frontal, tais como os exercícios de respiração e relaxamento, a meditação mindfulness e o aumento da autoconsciência através do questionamento ativo dos pensamentos negativos. Quanto mais você ativar essa região do seu cérebro, mais sentirá controle sobre os seus impulsos, essencial para dar um fim definitivo a qualquer tipo de dependência.