Categoria: Não categorizado

Como melhorar a saúde emocional em 2018

Como melhorar a saúde emocional em 2018
Um senso saudável de si próprio só pode ser garantido através dos sentimentos

Aprender a manter um relacionamento saudável consigo depende também da sua habilidade de desenvolver a consciência e respeito do sistema emocional. Para que se sinta inteiro, é vital que aprenda a ouvir, validar e regular as emoções. Um senso saudável de si próprio só pode ser garantido através dos sentimentos, sejam negativos ou positivos, ou uma combinação de ambos. Como é o único meio pelo qual descobrimos quem verdadeiramente somos, o valor de nossa saúde emocional não deve ser subestimado. Se você está determinado a viver uma existência mais gratificante e agradável, seguem algumas dicas de como melhorar a saúde emocional em 2018:

Torne-se mais emocionalmente consciente

Não há melhor maneira de se tornar mais emocionalmente consciente do que dedicar um tempo para perceber como se sente. Se você não for capaz de identificar as emoções com a ajuda do intelecto, dirija a sua atenção ao corpo. As sensações corporais, muitas vezes, são mais eficazes em comunicar o que o seu cérebro não consegue através de palavras. Pergunte-se como se sente no momento. Examine o seu corpo da cabeça aos pés – especialmente as regiões que são propensas a registrarem distúrbios emocionais, tais como: o estômago, peito, pescoço, ombros e testa – e analise o que está lá. Você sente uma leveza ou peso nessas partes? A sua respiração é curta ou profunda? Essas regiões estão relaxadas ou tensas? O que podem dizer sobre as suas necessidades pessoais e estado emocional?

Respeite as emoções negativas

Sentir-se inteiro é inviável se não houver uma congruência emocional. Contrariamente à crença popular, a negligência emocional não é uma maneira eficaz de lidar com as emoções, mas uma estratégia de enfrentamento disfuncional que só leva à infelicidade, bem como a problemas de saúde mental e relacionamento. Se você se sente desconfortável, inadequado, triste ou ansioso, talvez haja uma boa razão para isso. Mesmo quando os seus sentimentos estão desregulados, são exagerados ou não parecem refletir a realidade, isso em si é uma informação de um potencial problema de saúde mental o qual necessita a sua atenção. O autoaperfeiçoamento e a melhoria na qualidade de vida são inatingíveis quando você ignora ou tenta reprimir as emoções negativas. Estar atento ao que não lhe favorece, assim como o seu crescimento e realização pessoal, representa uma atitude inteligente daqueles que desejam se fortalecer por meio dos sentimentos.

Aprenda como regular as emoções

Validar os sentimentos não significa colocar-se totalmente à sua mercê. Há momentos em que devem ser lidados e não somente sentidos. Aprender a se acalmar e controlar as emoções de forma independente consiste na verdadeira autonomia. Não lidar com os sentimentos de forma consciente e proativa tende a resultar em vícios e outros problemas de saúde mental. Para lidar com as emoções negativas de modo saudável, motive-se e seja criativo. Não há uma receita preestabelecida para o relaxamento e bem-estar de todos, já que, como indivíduos, processamos as emoções de maneiras únicas. Descubra o que funciona para você e reflete a sua personalidade através da exploração de novas maneiras de encontrar a paz interior, seja através do exercício, atividade física, exercícios de relaxamento ou respiração, meditação, leitura, dança ou uma ducha de água quente ou fria etc.

Busque o apoio emocional

A vida também é feita de eventos estressantes e até traumáticos que podem ser difíceis de lidar emocionalmente. Se você se sente sobrecarregado e nada parece aliviar a sua dor ou ansiedade, este pode ser o momento certo de procurar a ajuda de um profissional da saúde mental. Não há vergonha em se sentir vulnerável e precisar de outra perspectiva, pois todos passamos por momentos difíceis em nossas vidas, mesmo quando somos demasiado orgulhosos ou envergonhados de admitir este fato. Se você tem os meios para acessar a ajuda de uma terapeuta, recomendo muito fazê-lo, especialmente se não se sente à vontade para falar sobre os sentimentos com uma pessoa conhecida ou foi criado por pais emocionalmente negligentes. A terapia pode ser um ambiente produtivo para se aprender novas habilidades de resolução de problemas e estratégias de enfrentamento, as quais se tornam suas para o resto de sua vida.

O período festivo de fim de ano pode não ser um momento alegre para todos, entretanto, tem o potencial de incitar sentimentos de mudança positivos em muitos. Se você já não tolera mais se sentir desmotivado e vazio por dentro, seguir o recomendado aqui pode ajudá-lo a se reconectar com o seu eu de forma inteira, incluindo as partes que têm sido negligenciadas. Para honrar quem você é em 2018, abra mão de crenças negativas a respeito dos sentimentos que nos roubam da nossa humanidade ou capacidade de sentirmos e nos conectarmos com nós mesmos, as outras pessoas e o mundo a nossa volta. Afinal, ser emocionalmente saudável não requer poderes superextraordinários, mas uma atitude honesta e aberta, a qual nos permite interagir com os nossos mundos interno e externo por meio dos sentimentos.

5 crenças comuns dos procrastinadores

A procrastinação refere-se a um problema muito familiar. Se, às vezes, você sente dificuldade de se motivar, você pode ser propenso à procrastinação. Como crenças negativas encontram-se presentes na raiz de nossas vulnerabilidades psicológicas mais comuns, é vantajoso tomar consciência das atitudes, regras e suposições que estejam lhe impedindo de realizar o que deseja.

Aqui estão 5 crenças comuns dos procrastinadores:

1- “Se eu não posso fazer melhor, não vale a pena fazer coisa alguma”

Perfeccionismo não significa um talento, mas um assassino da autoconfiança. O perfeccionista desperdiça tempo precioso em pensamentos improdutivos enquanto a vida passa despercebida. Aprenda como valorizar a sua própria humanidade aceitando a ideia de tentativa e erro e celebrando seus esforços. Dez mil ações “suficientemente boas” são muito mais gratificantes em longo prazo do que realizar um único ato perfeito.

2- “Quem não arrisca não se desaponta”

5 crenças comuns dos procrastinadores
A procrastinação é um problema muito familiar

Se você aprecia seus esforços – e não apenas resultados perfeitos – você não tem medo de assumir riscos. A autoconfiança é nutrida de dentro para fora. Adote uma atitude complacente sempre que se tornar corajoso o suficiente para sair de sua zona de conforto. Aja como seu melhor amigo e diga a si mesmo que tentar é tão bom quanto ser bem-sucedido. Elogie-se, mesmo quando parece que ninguém mais está prestando atenção em você. Não espere por reconhecimento externo para construir um senso interior de autoestima, mas deixe o amor-próprio incondicional guiá-lo por meio de seus esforços.

3- “Nada nunca dá certo pra mim”

Na TCC, os pensamentos automáticos são classificados como erros cognitivos devido a sua perspectiva irrealista. Dizer a si mesmo que absolutamente nada nunca dá certo para você é uma declaração global e simplista demais para refletir a realidade objetiva de maneira acurada. Você não está se esquecendo de reconhecer algumas coisas boas que conseguiu alcançar? Se for assim, então você está permitindo que o perfeccionismo mine a sua autoconfiança.

4- “Se eu não sinto vontade de fazer isso, significa que não devo fazê-lo”

Você ficaria surpreso em saber como essa crença é falsa. Quando você consegue superar aquela resistência inicial, você normalmente descobre que pode fazer o que havia se determinado e com certa facilidade. Motive-se para desenvolver, pouco a pouco, uma tolerância cada vez maior ao desconforto. Tenha como um de seus objetivos desafiar os pensamentos que parecem estar contra você. Questione as formas de pensar negativas e improdutivas através do aumento da sua autoconsciência. Afinal, quem está no controle, você ou os seus pensamentos?

5- “Eu não tenho tempo pra isso”

Verdade? Ou essa não é apenas mais uma desculpa para não se dedicar a algo novo ou introduzir mudanças positivas em sua vida? Se você realmente sente que o tempo está contra você, é recomendável descobrir o que você faz de fato com ele. Reserve alguns minutos durante a próxima semana para anotar o que você faz com o seu tempo de hora em hora e todos os dias da semana de segunda a domingo. Em seguida, analise suas descobertas e avalie como você tem gerenciado seu tempo. Quais são as suas tarefas prioritárias? Quais atividades poderiam ser excluídas, encurtadas ou estendidas para permitir que você atinja seus objetivos de autoaperfeiçoamento? A estruturação ativa de sua rotina diária é uma iniciativa de apropriar-se de si mesmo que desembocará em um renovado senso de controle e responsabilidade sobre a sua própria vida.

Para vencer a batalha contra a procrastinação e tornar-se mais produtivo, dirija a sua atenção aos erros em seu pensamento. Pensamentos demasiado gerais ou com uma mensagem de rigidez, perfeccionismo ou tendenciosidade para o negativo, por exemplo, são famosos por resultarem em conflito pessoal e sentimentos de inadequação. Monitorar pensamentos disfuncionais requer pouco esforço e dedicação de sua parte, além de auxiliar na realização de seu potencial de maneira saudável e independente.

2 exercícios simples de atenção plena para ajudá-lo a lidar com a pressão

2 exercícios simples de atenção plena para ajudá-lo a lidar com a pressão
A atenção plena ou mindfulness pode ajudá-lo a se sentir em harmonia com você mesmo

Dado o ritmo frenético da vida moderna, sentir-se sob pressão para corresponder às expectativas de todos – incluindo as suas – pode facilmente transformar-se em mais um hábito prejudicial a sua saúde. Visto que nossas vidas nunca foram tão monitoradas ou expostas a tanto escrutínio tal como nos últimos anos, pode ser difícil deixar de lado a suposta necessidade de lutar por sua excelência pessoal, independentemente do impacto que essa atitude tenha sobre você. Na era dos smartphones e redes sociais, não parecer “superativo” e “sempre ocupado” pode facilmente fazer com que você se sinta como uma alma perdida ou alguém que apenas não é bom o suficiente. Viver uma vida verdadeiramente autêntica tornou-se um desafio na época em que ficar parado e não fazer nada soa como uma grande estranheza.

Mesmo quando você se sente influenciado por ideias desse tipo, você ainda tem escolha. Você pode render-se à pressão de ficar disponível para tudo e para todos, ignorar a si mesmo e continuar a lutar para manter uma imagem de sucesso e popularidade, ou aproveitar este momento para dar atenção a você – o verdadeiro você – aquele que como todos os seres humanos necessita cultivar a ligação com o próprio corpo a fim de se sentir em harmonia consigo mesmo e com os outros. Dedicar tempo exclusivamente a si mesmo não significa apenas permitir-se comprar algo caro, comer algo saboroso ou desfrutar de algo novo. Também significa fazer deste o seu momento, ou sentir o que significa ser você neste instante. Tudo sem julgamento. Tudo sem ter de fazer as coisas de certa maneira (como ter de seguir um estereótipo de “relaxamento”, como deitar-se em uma banheira com um copo de vinho ou comer uma enorme barra de chocolate enquanto assiste uma série de TV inteira na Netflix. Se uma dessas coisas não estiver disponível… Bom, então, você ficaria à mercê de uma sensação ruim).

A atenção plena ou mindfulness pode ajudá-lo a se sentir em harmonia com você mesmo sem ter de fazer um grande esforço para criar algo elaborado a fim de alcançar a paz de espírito. Basta dedicar algum tempinho para se concentrar na sua respiração para que se reconecte com seu corpo, honrando o momento presente e as sensações que o fazem inteiro, atendendo a você como um todo. Você não tem de ser budista para praticar a mindfulness, ou um grande conhecedor de filosofia oriental para dominá-la. A atenção plena já faz parte de você – pois constitui aquela habilidade única de utilizar o raciocínio para se concentrar em si mesmo e observar seus próprios pensamentos, sentimentos e comportamentos.

Se você se sente estressado e gostaria de experimentar a mindfulness, a seguir você encontrará 2 exercícios simples de atenção plena para ajudá-lo a lidar com a pressão:

1- Centrar-se no momento presente

Sentado em uma cadeira em uma posição ereta, mas confortável, preste atenção somente em sua respiração. Observe como o seu peito se expande em cada inspiração, preenchendo seu corpo todo com ar e, na expiração, possibilita um sentimento natural de relaxamento. Quando você sentir a mente relaxar e reconectar-se com o seu corpo, tire a atenção do seu peito e concentre-se nos seus pés. Sinta a sensação de contato entre as solas dos seus pés e a superfície na qual estão descansando. Sinta você por inteiro, suas pernas, tronco, braços e cabeça conectados. Sinta-se como uma unidade, como um corpo sentado nessa posição. Examine as sensações que intensificam a sua percepção do que significa ser esse corpo nesse momento, como sentir a superfície dura da cadeira contra a sua pele ou perceber sentimentos de peso ou leveza nos membros. Calmamente, em seguida, lembre-se de onde você está, o dia da semana e a hora do dia. Traga o momento presente, corpo e mente unidos enquanto está sentado nesta cadeira, sendo você completo neste instante e espaço.

2- Alívio do estresse

Sentado em uma cadeira em uma posição ereta, mas confortável, preste atenção em sua respiração. Observe como o seu peito se expande em cada inspiração, preenchendo seu corpo todo com ar, depois a expiração que traz um sentimento natural de relaxamento. Quando você sentir a mente relaxada e reconectada com o seu corpo, retire a atenção do peito e concentre-se no seu corpo inteiro. Investigue as sensações presentes nesse momento, identificando o que lhe faz se sentir ansioso. Essa sensação pode ser pressão ao redor do peito, uma sensação de aperto no pescoço ou na mandíbula, ou uma sensação de peso, dor ou pressão na região abdominal, por exemplo. Assim que você conectar-se com uma dessas partes do seu corpo, dedique alguns minutos para focar a sua atenção nesta região. Dedique algum tempo para atender às sensações corporais que refletem o seu estado emocional negativo. Observe como o estresse é sentido por você numa região em particular. Atenda à fonte de seu desconforto. Assim que o seu pensamento começar a processar essas sensações, observe o que acontece quando elas começam a se dissipar para o resto do seu corpo como um fluxo de energia. Note a mudança nessas sensações e como eles desaparecem na sua consciência. Curta esse sentimento de alívio e reconciliação na medida em que a sua atenção reivindica seu corpo todo de volta.

Sempre que você se sentir oprimido ou desconectado, como se você estivesse em piloto automático, reserve alguns minutos para praticar um dos exercícios acima. Ambos farão com que você se sinta revigorado e centrado. É vital para o seu bem-estar psicológico e emocional entender esses sentimentos negativos assim que surgirem. Deixá-los acumular como se não fossem importantes tem o potencial de virar complicações de saúde mental mais tarde, como um episódio de esgotamento ou depressão, ou até resultar em um transtorno de ansiedade. Defina as suas prioridades de maneira correta e aprenda a amar e respeitar você inteiro primeiro, tanto corpo como alma.