Categoria: <span>Trauma</span>

4 sinais que você sofreu negligência na infância

4 sinais que você sofreu negligência na infância
A negligência é a forma mais comum de abuso

A negligência é a forma mais comum de abuso. De acordo com a National Children’s Alliance (2021) e Brown et al. (2023), 76 a 78% das vítimas de abuso são crianças negligenciadas. A negligência infantil pode ser física ou emocional e compreende a ausência de cuidados adequados, seja com o bem-estar emocional ou físico da criança. Apesar de ser habitual, não é facilmente identificável pelas vítimas como o abuso físico ou emocional. Se você suspeita de ter sido vítima e gostaria de obter esclarecimentos sobre o assunto, elenca-se 4 sinais de que você sofreu negligência na infância:

1- Você negligencia a própria saúde e o bem-estar: você se esquece das necessidades do corpo, ignora sinais de problemas de saúde e não toma as medidas necessárias para lidar com as vulnerabilidades físicas e mentais em tempo hábil. Além disso, demora a procurar um profissional de saúde e só o faz quando pressionado por outras pessoas ou quando já se sente debilitado.

2- Você acredita não ser digno de cuidado: você se sente egoísta, culpado, envergonhado e/ou com medo quando precisa de ajuda, amor e atenção. Embora se sinta confortável no papel de doador e esteja disponível para os outros em momentos de necessidade, sente-se inadequado quando chega a vez de receber a ajuda e o cuidado das outras pessoas.

3- Você acredita não ser digno de coisas boas: você se sente egoísta, culpado, envergonhado e/ou com medo de possuir coisas caras e de boa qualidade, sente-se desconfortável quando se presenteia e ousa quebrar as rígidas regras de gastos, bem como quando recebe coisas boas das outras pessoas.

4- Você tem baixas expectativas: você se contenta facilmente com a mediocridade e tem uma sensação de familiaridade, segurança e, em alguns casos, até alívio quando as coisas não dão certo e é decepcionado pelos outros. Também chora ou se sente inadequado quando algo grande ou positivo acontece, como quando é elogiado ou reconhecido por seus esforços.

Para superar os efeitos do trauma da infância causado pela negligência, torne-se ciente de como pode estar perpetuando o abuso por meio da autonegligência. Aprenda como se conectar, ouvir e validar as necessidades do corpo, praticando a meditação de atenção plena/mindfulness, por exemplo, e implementando uma rotina de autocuidado. Se se sentir sobrecarregado com a ideia de fazer isso sozinho, contrate uma terapeuta do trauma para lhe ajudar a colocar essas medidas em prática e dar início ao processo de cura.

Referências:

Brown CL, Yilanli M, Rabbitt AL. Child Physical Abuse and Neglect. [Updated 2023 May 29]. In: StatPearls [Internet]. Treasure Island (FL): StatPearls Publishing; 2023 Jan-. https://www.ncbi.nlm.nih.gov/books/NBK470337/

National Children’s Alliance (2021). National Statistics on Child Abuse. https://www.nationalchildrensalliance.org/media-room/national-statistics-on-child-abuse/#:~:text=Nationally%2C%20neglect%20is%20the%20most,and%200.2%25%20are%20sex%20trafficked.

5 sinais de que o seu problema de peso está relacionado a um trauma

5 sinais de que o seu problema de peso está relacionado a um trauma
As vítimas de abuso emocional, negligência física e/ou abuso sexual são mais propensas a recorrerem à comida para equilibrarem as emoções

A conexão entre os maus comportamentos alimentares, como a restrição calórica e o vício alimentar, e o trauma é amplamente aceita (vide pesquisas abaixo). Portanto, caso tenha dificuldade de manter um peso saudável, é fundamental saber que apenas uma mudança na dieta pode ser insuficiente para produzir efeitos duradouros. Para se tornar ciente de como a saúde mental afeta o seu relacionamento com a comida, elenca-se 5 sinais de que o seu problema de peso está relacionado a um trauma:

1- Você come de forma emocional para se sentir melhor. A alimentação emocional é motivada pelos sentimentos negativos dos eventos traumáticos que ficam armazenados no corpo, como a solidão, o cansaço, a ansiedade, a tristeza, a vergonha, a culpa e a raiva. As vítimas de abuso emocional, negligência física e/ou abuso sexual, por exemplo, são mais propensas a recorrerem à comida para equilibrarem as emoções e lidarem com o estresse traumático (Kong et al., 2009). Conforme Stojek et al. (2019) esclarecem: “De uma perspectiva psicológica, consumir alimentos com alto teor calórico que estimulam o neurocircuito de recompensa é uma poderosa estratégia de regulação emocional em resposta ao aumento do estresse”.

2- Você se alimenta de forma desregrada para desafiar a autoridade. Você expressa a raiva dos pais abusivos e o controle do próprio corpo comendo demais ou de modo irresponsável para não se submeter a dietas rígidas e aos padrões de beleza.

3- Você se alimenta pouco para desafiar a autoridade. Você expressa a raiva dos pais abusivos e o controle do próprio corpo fazendo dieta e torna-se mais magro para provocar-lhes inveja ou ressentimento por sua autonomia e perda de peso.

4- O seu sobrepeso faz com que se sinta seguro. Você se sente mais forte e menos vulnerável ao abuso quando está fisicamente maior ou “invisível” a fim de protegê-lo da atenção alheia.

5- Você é viciado em açúcar. O trauma do desenvolvimento mal resolvido e o Transtorno do Estresse Pós-Traumático (TEPT) “comumente ocorrem de forma simultânea com o vício” (Flanagan et al., 2016). O açúcar é usado para aliviar o estresse traumático, propósito observado no uso de outras substâncias viciantes, tais como o álcool e as drogas.

Uma abordagem consciente do trauma revela-se essencial se estiver empenhado em superar um distúrbio alimentar ou administrar o peso de maneira eficaz. Para um resultado de sucesso, combine uma dieta saudável com o tratamento psicológico de traumas não resolvidos e trate a saúde integralmente, da cabeça aos pés.

Referências:

Kong S, Bernstein K. (2009). Childhood trauma as a predictor of eating psychopathology and its mediating variables in patients with eating disorders. Journal of clinical nursing. 18. 1897-907. 10.1111/j.1365-2702.2008.02740.x.

Flanagan JC, Korte KJ, Killeen TK, Back SE. Concurrent Treatment of Substance Use and PTSD. Curr. Psychiatry Rep. 2016 Aug;18(8):70. (doi: 10.1007/s11920-016-0709-y. PMID: 27278509; PMCID: PMC4928573).

Stojek MM, Maples-Keller JL, Dixon HD, Umpierrez GE, Gillespie CF, Michopoulos V. Associations of childhood trauma with food addiction and insulin resistance in African-American women with diabetes mellitus. Appetite. 2019 Oct 1;141:104317. (doi: 10.1016/j.appet.2019.104317. Epub 2019 Jun 8. PMID: 31185252; PMCID: PMC6629477.)

De onde vem a crença “eu não sou bom o suficiente”?

De onde vem a crença “eu não sou bom o suficiente”?
Quando a crença negativa “eu não sou bom o suficiente” está ativa, sentimo-nos inseguros e duvidamos de nós próprios

Quando a crença negativa “eu não sou bom o suficiente” está ativa, sentimo-nos inseguros, duvidamos de nós próprios e questionamos nossa inteligência e competência. Além disso, tornamo-nos hipervigilantes e dependentes de aprovação externa para nos sentirmos menos ansiosos. Se deseja obter mais controle sobre esse processo, recomendo fazer a ligação entre essa crença fundamental e o trauma infantil não resolvido. As experiências adversas, como sofrer bullying na escola, contribuem para fortalecer essas crenças negativas. Quando essa conexão é encontrada, encontra-se em uma posição favorecida para quebrá-la e livrar-se de seus efeitos na sua autoestima.

Contudo, se não sabe por onde começar, elencam-se exemplos de eventos traumáticos vividos na infância que resultam na crença de que não se é bom o suficiente na idade adulta:

– As suas notas escolares, mesmo quando muito boas ou excelentes, nunca foram boas o suficiente para os responsáveis pelo seu cuidado. Quando as compartilhava com eles, perguntavam quem mais as obteve ou se era o primeiro ou o segundo melhor da sua classe.

– Os responsáveis pelo seu cuidado não estavam emocionalmente presentes quando compartilhava as notas escolares com eles. Os seus esforços não eram nem validados nem rejeitados por eles, pois simplesmente não estavam interessados o suficiente para se importarem com isso.

– A sua escola e/ou professores era(m) ignorante(s) ou não possuíam ferramentas corretas para lidar com a sua vulnerabilidade psicológica, tal como o Transtorno de Déficit de Atenção ou Asperger. Você se sentia mal por ser diferente, solitário e até alienado por não ter apoio.

– Você estava com fome, cansado, raiva e/ou medo/ansioso para conseguir se concentrar na escola. Você tinha dificuldade de se concentrar e/ou não tinha estrutura para aprender como os colegas.

Como o seu cérebro construiu essa noção de que não é bom o suficiente? Quais são os eventos negativos que funcionam como “prova” da sua suposta incompetência? Vá para um lugar privado e concentre a atenção na respiração por 1 minuto. Em seguida, conecte-se com o corpo, da cabeça aos pés. Estabeleça a intenção de ser guiado por ele para encontrar uma conexão entre “eu não sou bom o suficiente” e um evento adverso da infância. Por fim, observe onde isso o leva. Depois do seu cérebro remeter-lhe a uma imagem, permita-se sentir-se presente com ela. Observe os efeitos que provocam em sua psique, no corpo e nas emoções. Repita essa prática em dias diferentes até que a imagem não tenha nenhum efeito negativo sobre você.

O autocuidado requer esforço

O autocuidado requer esforço
A meditação, os exercícios respiratórios, a ioga e a alimentação saudável são práticas de autocuidado.

É comum entre aqueles que investem na saúde mental e física saberem do que se trata o autocuidado. Como conselheira de trauma, falo abertamente com meus clientes sobre a importância de uma rotina de autocuidado, que compreende práticas regulares para promover o bem-estar, tais como: a meditação, os exercícios respiratórios, a ioga, a alimentação saudável, a caminhada e a higiene pessoal, por exemplo. Quando os incorpora com sucesso na sua rotina diária, pratica um bom autocuidado. Quem pratica o autocuidado, regularmente, sente-se mais equilibrado e menos suscetível à sobrecarga emocional.

Se cuidar de nós nos faz tanto bem, por que não o fazemos? Por que precisamos ser lembrados por nossas terapeutas da importância de mantermos uma rotina de autocuidado? Porque o autocuidado, para a maioria de nós, exige esforço. Tratar-se com cuidado pode ocorrer naturalmente, em especial para aqueles que sofreram negligência e abuso durante o crescimento e desenvolvimento. As vítimas do trauma complexo tendem a ter uma relação complicada com o corpo. Para esses indivíduos, negligenciar e até abusar de si próprio pode parecer mais instintivo do que adiar a gratificação para priorizar a saúde a longo prazo.

A hipervigilância – um efeito comum do trauma da infância – faz com que a pessoa se sinta constantemente em alerta máximo ou presa no modo de luta ou fuga. Aqueles que sofrem de hipervigilância são propensos ao armouring (tensão em várias partes do corpo), à preocupação excessiva e à ansiedade. Os corpos hipervigilantes também são inquietos e impacientes, portanto, a meditação diária, para alguém assim, representa um esforço gigantesco. Nesses casos, focar na respiração e observar os pensamentos sem julgamento parece contraintuitivo, quando tudo o que se quer fazer é se levantar e se distrair.

Se você é um sobrevivente do trauma do desenvolvimento/infância, ou sofreu negligência e/ou abuso, é imprescindível que seja gentil consigo próprio. Embora o autocuidado seja bom, não significa dizer que é fácil de fazer. Provavelmente, você achará difícil incorporá-lo à sua rotina diária e, ainda mais difícil, mantê-lo. Não desista. Mais importante ainda, não se castigue por não conseguir acertar logo de cara. Dê tempo a si próprio. Você está ensinando o seu corpo um novo truque – algo que não conhece – então, dê um tempo para que se acostume. Com a prática, você começará a desfrutar dos benefícios de se tratar com cuidado, amor e respeito. Seja paciente e confie no processo.

 

O seu cérebro hipervigilante não é seu amigo

O seu cérebro hipervigilante não é seu amigo
O cérebro hipervigilante está sempre em alerta

Como seres pensantes, exibimos uma tendência natural de acreditarmos nos pensamentos e confirmarmos as nossas visões tendenciosas, além de nos sentirmos seguros quando as nossas teorias sobre o mundo, nós mesmos e as outras pessoas parecem ser verdadeiras. No entanto, a realidade – assim como os seres humanos – é extremamente complexa. Em nossa ânsia de nos acalmarmos com a ajuda do intelecto, deixamos de levar em consideração diversas variáveis que influenciariam a nossa compreensão da realidade. Limitamos a nossa percepção ao que já sabemos para nos sentirmos seguros, mesmo quando esse conhecimento não favorece o nosso bem-estar.

Essa tendência se pronuncia no cérebro traumatizado. Para as vítimas do trauma relacional, por exemplo, abordar os relacionamentos com a neutralidade e sem levar para o lado pessoal é um desafio, pois sofrem com a hipervigilância.  Num constante estado de atenção ao perigo – modo luta ou fuga – se protegem contra a dor, algo que conhecem tão bem. Para se sentirem seguros, confiam nas explicações sobre a ansiedade e insegurança que seus cérebros produzem com rapidez e aparente eficiência. Você está desanimado com a ideia de conhecer novas pessoas? Provavelmente, porque vão rejeitá-lo. Esse pensamento negativo e irracional, inclusive quando prejudicial à saúde mental e relacional, ajuda os socialmente ansiosos a se equilibrarem. Assim que a ameaça é extinguida (conhecer novas pessoas), não há mais perigo nem fonte de preocupação.

Portanto, o seu cérebro não é, necessariamente, seu amigo nem está sempre certo, em particular quando está traumatizado e hipervigilante – independente de quão convicto se sinta em relação aos pensamentos. Quando se torna consciente disso, a sua vida muda. Se sofreu com o trauma num relacionamento, desconfie muito do que o seu cérebro tem a dizer sobre as outras pessoas. Lembre-se de que tenta protegê-lo, de uma forma rígida e imperfeita. Observe os seus pensamentos de mente aberta e se esforce para considerar novas perspectivas. Não dê crédito, de saída, às teorias negativas que tentam convencê-lo a não confiar em ninguém e tolere o desconforto que surge ao se entregar ao desconhecido, com uma fé cega na própria competência e bondade dos seres humanos. Questione a resistência do seu cérebro em permiti-lo a aprender com a experiência. Você consegue tolerar a dor, caso surja, bem como superá-la com força emocional e maturidade.

Como acessar o poder de cura do luto

O luto é um processo de cura biológico e emocional/psicológico que permite lidar com as perdas, independente de sua natureza. Quem se abre para o luto, experiencia dores emocionais e até físicas, contudo, este processo não é vivenciado por todos igualmente, visto que afeta alguns com mais intensidade do que os outros. Enquanto alguns se conectam mais facilmente com raiva e culpa, por exemplo, outros têm dificuldade de sentir algo além de uma tristeza profunda. Embora não haja uma maneira correta de processar o luto, o seu poder de cura é universal.

Como acessar o poder de cura do luto
Para acessar o poder de cura do luto, você precisa cultivar uma atitude consciente

Infelizmente para aqueles que concordam com os benefícios do luto, somente estar ciente disso não facilita a conexão com o processo. Pensar que é uma boa ideia vivenciá-lo ou ouvir músicas tristes, por exemplo, pode não o desencadear. Isso se deve ao fato de que o luto é insidioso e chega quando menos se espera – durante as compras de roupas ou no jantar, por exemplo. Além disso, é escorregadio e escapa quando se quer controlá-lo.

Para acessar o poder de cura do luto, você precisa cultivar uma atitude consciente em relação às mudanças que vivencia no corpo. As sensações corporais carregam informações preciosas não apenas sobre a nossa fisiologia, mas também sobre os sentimentos. A tristeza e a raiva – as principais emoções do luto – têm as suas formas de expressão próprias. Pense em como se sente quando experiencia ambas e faça um inventário mental das sensações corporais negativas que conecta com sentir-se triste, como peso na parte superior do corpo, pressão no peito e uma sensação de nó na garganta e lágrimas atrás dos olhos. Faça o mesmo com a raiva.

Uma vez que esse conhecimento esteja à frente da consciência, será difícil não se conectar com a dor do luto quando surgir. Ao notar esse sentimento, volte a atenção para ele, largue o que estiver fazendo e, literalmente, sente-se com as emoções presentes. Se por algum motivo isso não for possível, por estar no trabalho ou ocupado com algo importante, faça uma anotação mental para se conectar com elas mais tarde. Não adie para o dia seguinte, reserve um tempo para se conectar com as suas emoções – seja raiva, tristeza ou culpa – o mais rápido possível.

Dedicar tempo para processar o luto quando este surge é a melhor estratégia de cura, bem como uma atitude honesta e proativa. Abordar este processo com franqueza e sem se envergonhar por se encontrar vulnerável favorece a sua saúde mental, isso se torna modelo de maturidade e força para aqueles que você influencia.